1º Congresso de Tecnologia Assisitiva do Ceará

No início da semana estive em Fortaleza para o 1° Congresso Muito Especial de Tecnologia Assistiva do Ceará, como já havia anunciado aqui. (Em breve devem colocar fotos do congresso no site)

* Público compareceu ao 1º Congresso de Tecnologia Assisitiva

O Congresso teve discussões muito interessantes e os participantes estavam muito envolvidos… mais de 600 pessoas estiveram presentes no primeiro dia. Pena que não pude ficar e participar de todo o Congresso.

Conheci o presidente do Instituto Muito Especial, Marcus Scarpa, que estava acompanhando tudo de perto e ficou muito empolgado com a receptividade. Tinha gente vindo de toda parte do estado para participar!

Tive pouco tempo por lá. Fiquei literalmente 24 horas na cidade, entre chegada  e retorno ao aeroporto. Então não pude ver muito como está acessibilidade por lá.

Em frente ao meu hotel, na praia de Iracema, vi que o calçadão estava novo, com rebaixos e piso direcional. Muito bom! E existe um monumento à Iracema em nível elevado da calçada, com acesso por rampa muito bem feita.

* Calçadão da praia de Iracema - Fortaleza-CE

* Rampa de acesso ao monumento à Iracema

* Rampa de acesso ao monumento

Porém… andando um pouquinho nos deparamos com um probleminha… em vez de desviar o percurso, por conta de umas árvores na calçada, simplesmente o direcional é interrompido.

* Piso tátil direcional interrompido pelo canteiro das árvores. Há espaço suficiente na calçada para desvio do percurso direcional.

Isso foi exatamente o foco da minha palestra no Congresso… os problemas de acessibilidade: acessibilidade feita por quem não entende, ou mal utilizada no dia-a-dia. Gostam de dizer (digo, arquitetos e engenheiros, em geral) que foi culpa do pedreiro. Mas quem é o responsável por conferir a execução? Primeiro, é possível que quem projetou não foi visitar o local; segundo, é possível que não se saiba o motivo de colocar um direcional, e que existe forma de mudar a direção, que não precisa estar sempre no centro da calçada, principalmente se existe um obstáculo no caminho; terceiro, não conferiu a execução; quarto, não se importa o suficiente para repensar a solução.

Bom, esse tipo de problema, existe em toda cidade e lugar, não é exclusividade de Fortaleza, pelo contrário. Acredito que a solução está em vários pontos:

– Preparação dos futuros profissionais, na graduação, sobre acessibilidade, desenho universal e diversidade humana.

– Conscientização ampla da acessibilidade e do desenho universal desde a educação infantil e constantemente nos meios de comunicação.

– Inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, educação, lazer, etc.

– Treinamento de atendentes, funcionários e administradores para a manutenção das condições de acessibilidade (acessibilidade não acaba com o projeto construído) e atendimento respeitoso à todos.

Acho que esse é o caminho!

  5 comments

  1. franciane lima   •  

    Parabens pela dediação e pelo profissionalismo tao bem desempenhado no congresso.
    Particpei do congresso e fiquei encantada com as ilustraçoes que vc apresentou é possivel me passar por imail.

  2. Elisa Prado   •     Author

    Oi Franciane,

    Obrigada!
    Me mande um email para que eu possa saber melhor o que precisa. Não sei se consigo mandar por email pois o arquivo é pesado.
    contato@elisaprado.com.br
    Abraços!

  3. Maria Auxiliadora de Oliveira Gurgel   •  

    Estive no Congresso.Me inteirei do novo e fiquei maravilhada com a sua fala. Vejo o quanto nós que trabalhamos com as necessidades (Horizonte-Ce) temos que carimpar, trabalhar, buscar para termos mais ferramentas para atender a esta clientela. Parabéns e me envive se possivel algumas dicas para se trabalhar com PCs. Abraços. Auxiliadora Gurgel – Sala de AEE.

  4. Osvaldo Carneiro   •  

    Cara Elisa
    Parabéns pelo belo trabalho que realiza.
    Essa ONG Muito Especial é a mesma que fraudou diversos contratos e emendas e está sendo investigada pela CGU?
    Foi publicado no Estado de SP que o presidente Marcus Scarpa usa laranjas e até uma faxineira para receber as verbas de eventos como esse.
    É um absurdo.

  5. Amarílio Alencar   •  

    Parecem piadas essas barbaridades que fazem com o piso tátil… Eles pensam que são apenas peças decorativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*